domingo, 29 de maio de 2016

O Juiz - Secret Garden - Capítulo 22

Madison

Nas últimas quatro semanas fiquei afundada no clube. Fizemos reformas, novos shows, novos funcionários, novas decepções...
Depois de ficar quinze dias em Leesburg, voltei para Nova York e me enterrei no Secret Garden. Há um mês, venho lutando com o meu coração, vendo Noah desfilar pela passarela da vida, como se eu nunca tivesse feito parte dela. Nos primeiros dias não foi fácil o ver de longe, mas vê-lo ser tocado, abraçado por outras, foi a morte para mim. Mas resisti, já fui quebrada uma vez, não darei a chance de ser quebrada a segunda.
Quando nos esbarrávamos, ele apenas acenava e seguia em frente. Continuei a receber alertas sobre as notícias dele que circulam pela internet, cada vez mais lindo e desesperadamente dolorido. Com o passar dos dias foi ficando mais fácil, mas não menos doloroso.
Hoje, resolvi sair do clube e ir fazer compras, preciso de calças novas e só há uma loja que vende a minha marca favorita. Não é fácil encontrar calças para mim, essas ancas largas não me ajudam, sempre tem que ajustar. Cintura fina e quadris extremamente largos, combinação penosa essa. Pelo menos terei a chance de me distrair olhando vitrines e fazer um lanchinho naquela confeitaria deliciosa do centro.

Entro na loja e sou recebida pela minha vendedora favorita que me dá ótimos descontos, porque a loja é cara. Estou há dois dias sem dormir e os sinais de exaustão estão começando a ficar nítidos e uma sensação estranha anda rondando meu peito, deve ser o cansaço. Vou para o provador com algumas calças e provo cada uma. Adorei todas.
Quando estou saindo do provador, vejo Carly e mais uma mulher vindo em minha direção. Escondo-me para que ela não me veja e eu não tenha que quebrar a cara dela, não costumo bater em grávidas, mesmo que sejam cadelas. Sento-me no ambiente que mais parece um quarto e espero as infelizes fecharem a porta para que eu saia daqui. Então, ouço uma conversa muito interessante.
— Deixa eu ver se entendi, você drogou o juiz gostoso e não aproveitou da situação para transar com ele? – a mulher pergunta.
— Tentei masturbá-lo, até o chupei, mas acho que exagerei na dose. Fiquei com receio de que um comprimido fosse insuficiente e dei dois. Por fim, nem o pau ficava em pé. Marquei inseminação para amanhã, seja o que Deus quiser – Carly responde.
E eu estou chocada com o que ouço.
— Não acha arriscado demais isso? Noah acha que você já está no terceiro mês de gestação, somente agora fará a inseminação. Como explicará uma gestação de doze meses?
— Esperei demais para fazer essa inseminação. Achei que quando Noah soubesse da gravidez, ele pularia de felicidade e reataríamos. Ele é todo família, acreditei que eu me tornaria a rainha novamente, transaríamos e pronto. Só que não aconteceu nada. Depois transei com vários caras com as mesmas características dele, mas também não tive êxito. Por fim, procurei esse médico que faz uns serviços sujos para o Richard, ofereci alguma grana e ele topou me ajudar. Ele fará a inseminação, acompanhará a gravidez que durará somente sete meses, daí ele dará um atestado de doença ou qualquer coisa do tipo. Noah estará tão encantado com a criança que não se dará conta de mais nada.
— Ele vale todo esse esforço? – a mulher volta a perguntar.
— O dinheiro dele vale – a safada responde sem pestanejar — Noah é milionário.
— Não sabia que magistrados ganhavam tão bem assim...
— Eles ganham bem, só que a fortuna do Noah vem do grupo de investimentos que ele e os amigos fundaram quando estavam na faculdade ainda. A coisa deu tão certo, que quando se formaram já tinham fortuna para se aposentarem.
— Nossa. E como ele é na cama?
— Para quem gosta de sexo, Noah é um prato cheio – ela faz uma pausa e continua — Ele sabe como levar uma mulher na cama e o pau é enorme. Eu é que não sou chegada em sexo, suor, esforço. Para mim sexo é um meio de conseguir as coisas. Meu tesão pelo Noah, acabou quando eu soube que aquela casa não veio para o meu nome.
— Mudando de assunto, o deputado O´Donnell é o meu sonho de consumo. Se eu pego aquele homem não sobra nada.
— Eu prefiro o Benjamin. Cerquei ele duas vezes na mansão, mas o cretino não me deu bola. Fiel ao amigo e agora me odeia.
Eu estou estarrecida com tudo que ouvi dessa safada. A que ponto chegamos, eu no provador ouvindo a revelação bombástica, com a mão na boca para evitar de emitir algum som. Respiro fundo e saio, monto guarda na frente do provador em que ela conversa com a amiga. Vamos tirar a história a limpo, Cardela.
Assim que as duas cretinas saem dão de cara comigo sentada em uma poltrona luxuosíssima da loja.
— Olha quem eu encontro aqui, a “Vagaranha” Porter – falo sorrindo.
— Me respeita, sua infeliz. Agora me diz, o dinheiro que você ganha no bordel dá para comprar roupas aqui, Madison? Puta de luxo, é isso?
Sorrio.
— Puta de luxo é uma boa classificação. Mas, e você? Bom, poderíamos chama-la de “vagalouca”. Não sei, que nome você daria a uma mulher que drogou um cara para chupá-lo? – ela empalidece — Desceu muito baixo, Carly. Dopar um homem para poder transar com ele é o cumulo de toda vagabundagem e desespero. Porque vamos e convenhamos, é o fundo do poço para qualquer uma, masturbar um cara desacordado – começo a rir — E pior, nem apagado você consegue excitá-lo.
Ela tenta um sorriso, mas falha.
— N-não sei do que está falando.
— Ah, eu posso esclarecer para você. Drogou Noah, deu em cima do Benjamin e vai fazer insemi...
— CALA A BOCA! – ela grita.
— Vamos ver o que o juiz gostoso vai achar dessa história? – pego minha bolsa e vou em direção a porta.
Ela vem atrás gritando que eu não poderia fazer isso. Coitada, posso o que eu quiser! Vejo que o sinal abriu e atravesso a rua correndo. Antes de chegar do outro lado, ouço pneus cantando, viro-me e assisto o carro jogar Carly no chão.
Ai meu Deus!
Corro para perto dela, vejo que está acordada, mas chora. Sua amiga destrambelhada começa a gritar por socorro. Carly olha para mim, sorri diabolicamente, coloca a mão na barriga e grita:
— Meu filho. Por favor, salvem o meu filho!
Fico indignada. A mulher acaba de ser atropelada e ainda continua com essa história.
— Não há filho nenhum, sua louca – falo para ela.
Então, quando acho que nada mais pode me surpreender, a vida me mostra o contrário.
— Oh meu Deus. Por que você me odeia tanto, Madison? Você queria que eu perdesse meu filho? Deus, você é um monstro!
— Não! – tento argumentar, mas as pessoas começaram a vir para cima de mim e as duas loucas continuam a falar que a culpa foi minha.
Duas mulheres me insultaram e um cara achou melhor eu me distanciar para não agravar a situação. Fico tonta, como a desgraçada conseguiu virar o jogo? Ouço a sirene da ambulância que chega rapidamente e a socorre. Fico ali embasbacada olhando toda a situação e pensando o que fazer. Por fim, resolvo ir até o hospital que provavelmente a levaram, não vou deixar que a cadela saia por cima nessa história.
Chamo um táxi e sigo em direção a emergência mais próxima. Assim que chego, pergunto onde a atropelada está e vou em direção ao leito em que ela está sendo examinada. Observando de longe, percebo que Carly está muito bem, ela e a amiga conversam com uma enfermeira por bastante tempo, como se estivessem confabulando. Estranho. Sinto como se estivesse espionando a reunião das bruxas. Um calafrio percorre meu corpo. Credo!
Assim que a enfermeira sai, vou até onde as cretinas estão e não sou bem recebida.
— O que quer, Madison? – Carly pergunta sem paciência.
— Vim saber como pode uma pessoa ser tão cruel. Você não está grávida, eu ouvi você conversar com a sua amiga e mesmo assim continua levando isso adiante.
As duas se entreolham e sorriem. Carly volta-se para mim.
— E você será uma peça muito importante para que eu volte com o Noah.
— Como? – acho que fiquei surda de vez.
Carly começa a chorar e perguntar porque. Gente, a mulher enlouqueceu. Ela continua a perguntar porque eu queria matá-la, chamando a atenção de todos que estavam ao redor. A amiga canalha a abraça e pede para que eu tenha compaixão de uma mulher que pode ter perdido o filho por minha causa.
— Não! – respondo desesperada.
Noah escolhe esse exato momento para chegar e vê com estranheza toda a cena que acontece. Meu coração aperta.
— O que houve? – ele pergunta para ela, mas olhando para mim.
— Noah... – ela chora desesperadamente. A cena é chocante, a mulher deveria ser atriz — Eu fui atropelada e acho que perdi nosso filho – Noah empalidece.
— Meu Deus! Não há filho algum – falo antes que pudesse filtrar meus pensamentos.
Carly grita:
— Por que você fez isso, Madison? Essa criança é tudo para mim. Por que você nos quer tão mal assim? – ela aponta para mim — Ela me ameaçou e saí aflita da loja, não vi os carros... – ela volta a chorar — Agora estou aqui.
Noah olha para mim.
— Você a ameaçou?
— Sim... Não! Não esse tipo de ameaça... – tudo estava tão confuso. Eu já não sabia o que estava falando.
A amiga mentecapta se mete.
— Eu estava lá e vi quando ela ameaçou Carly, que saiu desesperada para ficar longe e acabou sendo atropelada.
Ele volta-se para mim.
— Por que, Madison?
— Não existe criança. Eu ouvi...
A enfermeira que estava aqui antes, volta e solta a bomba:
— Infelizmente você perdeu o bebê.
Tudo ao meu redor passa em câmera lenta. O grito da Carly, a amiga consolando-a e a dor nos olhos de Noah. Ele passa a mão pelos cabelos, vai em direção a Carly e a abraça forte. Ele diz palavras doces para ela, prometendo fazer de tudo para fazê-la feliz novamente.
Eu não acredito no que está acontecendo, Deus deve ter muita raiva de mim. Acho que fui um dos pregos que o pregou na cruz, só pode ser. Ele vem em minha direção, retira-me do quarto e tento contar o que realmente aconteceu.
— Noah, ela não estava grávida...
— Chega, Madison! Por favor, chega – ele fala em tom baixo. Noah estava arrasado — Eu não quero acreditar que você é tão fria a ponto de não sentir compaixão por um homem que acabou de perder um filho que nem teve a chance de nascer.
— Noah, você precisa me dar um crédito...
A dor dele é tão grande, que chega a ser palpável.
— Dar o mesmo crédito que você me negou?
— Era diferente...
Ele ri com desgosto.
— Era diferente porque te beneficiava. Eu sei. Por favor, Madison, tenha piedade de mim nesse momento, ok? Não vou me ater ao fato dela perder o meu filho fugindo de você. E sim, eu te conheço e sei que sua língua pode ser ferina.
Seguro sua camisa e falo:
— Não, Noah. Por favor... deixe-me... – seu olhar de menosprezo para mim fez com que eu o soltasse na hora e dou um passo para trás. Ele me odeia.
Meu Deus, o amor da minha vida, me odeia...
Saio do hospital desolada, olho para o céu e vejo que nuvens carregadas estão fechando o tempo. Começo a caminhar e como eu, o céu também chora. A água gelada da chuva contrasta com o calor das minhas lágrimas. Deus, o que foi que eu fiz?
Caminho sem rumo até não ter mais lágrimas e minhas roupas estarem completamente encharcadas. Sento em um banco no meio do parque e alguém grita que ficar debaixo da árvore em um temporal é perigoso, um raio pode me atingir. Sorrio, quem sabe eu não seja tão sortuda a ponto de isso acontecer? A morte para mim agora é lucro!
Não, não mesmo! Não vou deixar aquela infeliz levar a melhor. Não é justo que ele sofra por um filho que não existiu. Que merda, Madison! Se lamentando mais uma vez? Vamos dar um fim no teatrinho da safada. Rebecka... A Rebecka saberá o que fazer, eu acho...
Caminho até a casa dela, que é longe para caramba, bato a sua porta e uma das empregadas atende. Ela me dá espaço para passar e fico esperando Rebecka no hall, já que estou encharcada. Logo, Becka aparece.
— Madison. Oh Senhor. Está toda molhada...
— Becka, você precisa me ajudar. Noah me odeia porque matei o filho dele. Mas não é verdade. Você tem que acreditar em mim!
Ela passa a mão na minha testa para ver se estou com febre e delirando.
— Calma, Mad. Antes de qualquer coisa, vamos tirar essas roupas.
Becka pede um chá para uma das empregadas e me leva até o seu quarto, ajuda-me a tirar as roupas e me enfia debaixo do chuveiro quente. Quando saio, percebo que estou tremula. Seco-me, enrolo a toalha no cabelo e visto as roupas que Rebecka trouxe para mim.
Assim que saio do banheiro, ela está esperando-me sentada em sua poltrona branca, com uma bandeja de chá ao lado. Sento-me de frente para ela.
— Está melhor? – ela me pergunta com doçura. Aceno que sim — Agora, com muita calma, conte-me que história é essa do Noah te odiar?
Ela alcança-me a xícara com um chá docinho e delicioso.
— E-eu estava no provador da loja quando Carly e uma amiga entraram, me escondi porque não queria confusão. Então, ouvi a conversa das duas – faço uma pausa e olho para ela. Quero que Rebecka veja a verdade pelos meus olhos — Ela disse que drogou Noah, que não transaram e fará uma inseminação amanhã já que não está grávida. Quando elas saíram do provador, eu a estava esperando na porta e disse que contaria ao Noah. Carly começou a gritar, correu atrás de mim e acabou sendo atropelada.
Rebecka estava com a mão na boca.
— Por Deus, Madison...
Sorrio desolada.
— No hospital, ela gritava que eu queria matar o filho dela. Uma enfermeira chegou e confirmou que ela perdeu o bebê que não existia. Noah acreditou que eu tinha provocado a morte da criança e vi o ódio em seus olhos – ajoelho-me diante dela e minhas lágrimas voltam a rolar — Rebecka, eu jamais faria isso. Não sou um monstro. Por favor, fala que acredita em mim. Me ajuda a tirar Noah dessa dor por um filho que nunca existiu.
Ela puxa-me para os seus braços e aperta-me forte.
— Eu acredito, minha flor. E nós vamos salvar o Noah dessa desgraçada.
Ela me levou até a cama, cobriu-me e ficou do meu lado. O sono estava chegando e falei:
— Obrigada por acreditar em mim. O que faremos?
Ela sorri.
— Você dormirá e descansará. O resto eu resolvo. Durma, Madison e sonhe com os anjos...

Adormeci.

12 comentários:

  1. Amiga, a serie é show!!! Mas vc não acha que tah se arrastando demais não?? Vc apresenta menos de dois capítulos de uma novela na tv... Desculpe, mas tah ficando demorado...

    ResponderExcluir
  2. Não vai postar mais?? A série é tão boa... Passei o dia inteiro entrando no site pra conferir ��

    ResponderExcluir
  3. cadê o capitulo da semana???

    ResponderExcluir
  4. Cadê o capítulo de hj?? Já tem duas semanas que você não posta :/

    ResponderExcluir
  5. Vai parar de postar??

    ResponderExcluir
  6. Por que parou de postar? Já era para estar no penúltimo capítulo :( essa é a história que dá mais visualizações e comentários para o blog e a senhorita nem nos responde quando perguntamos se não irá mais publicar o resto.
    É uma pena que o livro físico seja tão caro com o frete.

    ResponderExcluir
  7. Aguardo ansiosamente para o restante do livro

    ResponderExcluir
  8. Olá! Já vai fazer um mês que vc não posta
    ...vc vai continuar com a história ou vai parar de postar?
    Anna xX

    ResponderExcluir
  9. Vai postar??

    ResponderExcluir